Pages

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Rede da Legalidade - 50 anos




Quando o Presidente Jânio Quadros renunciou, em 1961, ministros militares em Brasília ameaçaram não permitir a posse do vice-presidente João Goulart. No Rio Grande do Sul, sob o comando do governador Leonel Brizola, iniciou-se um movimento armado para defender a legalidade constitucional da posse do vice-presidente eleito.

No dia 27 de agosto de 1961, Brizola requisitou os transmissores da rádio Guaíba de Porto Alegre, e através das ondas médias e curtas do rádio fazia pronunciamentos a todo país, conclamando o povo a defender a legalidade. Em seguida, as demais emissoras de Porto Alegre e as emissoras do interior do Estado, uniram-se à Guaíba, formando a grande Rede da Legalidade.

A Rede Radiofônica da Legalidade funcionava 24 horas por dia, nos porões do Palácio Piratini, sede do Governo Estadual e onde estava montada a Cidadela da Legalidade. Contava com a participação de jornalistas, radialistas e técnicos de todas as emissoras. O alcance foi tanto que em determinados momentos ela tinha 100% de audiência no estado.

Com o aumento da abragência, chegou a ter 104 emissoras em cadeia no Brasil e nos países vizinhos, foram transmitidos boletins noticiosos em diversos idiomas, como inglês, espanhol e alemão.

Este foi sem dúvida um dos momentos mais históricos e importantes do rádio brasileiro. Em nenhuma outra ocasião se usou este meio de comunicação de maneira tão singular e primordial a ponto de influenciar os destinos de toda uma nação.

*Texto e áudio disponibilizado por Lucas Guarnieri

0 comentários:

Postar um comentário